quarta-feira, 31 de outubro de 2012

EXPLICANDO A TERAPIA- ALVO PARTE I






Nós enquanto pacientes oncológicos devemos reter o máximo de informações para podermos discutir com o mínimo de base com nossos médicos. E para isso vamos iniciar essa série sobre terapia - alvo que é sem dúvida o retrato do futuro dos tratamentos de todos os tipos de câncer! Hoje começamos com o Pertuzumabe, a seguir:



Pertuzumabe

Um grupo específico de pacientes com câncer de mama terá uma opção a mais no tratamento da doença. O anticorpo monoclonal pertuzumabe teve seu status elevado ao nível de prioridade pelo Food and Drug Administration (FDA), órgão responsável pelo controle de alimentos e medicamentos nos Estados Unidos, o que pode acelerar sua chegada ao mercado, prevista para o início do segundo semestre.

O tratamento com pertuzumabe em pacientes com câncer de mama metastático HER2 positivo elevou a sobrevida livre de progressão da doença. As pacientes que receberam pertuzumabe em combinação com trastuzumabe e quimioterapia apresentaram redução significativa no risco de progressão da doença ou morte.


Esse tipo de medicamento, que funciona como uma droga-alvo, é uma tendência no tratamento da doença, por ter ação restrita ao defeito genético de nível celular que levou à enfermidade. À medida que os mecanismos moleculares que levam as células a se comportarem de maneira desregulada vão sendo descobertos, há a chance de usar medicamentos confeccionados especificamente para o que se comporta de forma crítica. O resultado é positivo e os efeitos são reduzidos. O tratamento personalizado, com a conduta terapêutica sendo baseada no perfil genético molecular do tumor, é uma tendência.

De fato, a medicina personalizada é um caminho sem volta. Identificar o melhor medicamento para cada paciente não só produz o efeito benéfico esperado como também evita efeitos adversos.

Com os avanços observa-se cada dia mais que a medicina moderna precisa observar características de cada paciente para dar segurança e o benefício esperado, afinal trata-se o paciente, não a doença!

O tratamento alvo identifica um biomarcador, uma característica bioquímica ou genética que determina se aquele paciente vai receber esse ou aquele medicamento. A ideia é ajustar o paciente ao tratamento usando os biomarcadores.

Essa realidade, entretanto, exige uma mudança não só na forma de tratar, mas também no diagnóstico. Também será essencial identificar os melhores alvos de cada medicamento. Descobrindo, por exemplo, a proteína que está desregulada e assim provocando a doença, é possível desenvolver um remédio específico para que esse processo seja normalizado.

Fazer tratamentos personalizados, entretanto, requer também diagnósticos mais precisos.

O pertuzumabe é um anticorpo monoclonal humanizado, estudado nos estágios iniciais e avançados de câncer de mama HER2 positivo e de câncer gástrico HER2 positivo avançado.

O medicamento foi desenvolvido especificamente para evitar a ligação do receptor HER2 com outros receptores HER depois que esse processo em nível celular foi considerado importante no crescimento e na formação de vários tipos de câncer.

Ao impedir a ligação do receptor, acredita-se que o medicamento bloqueie a sinalização celular, o que pode inibir o crescimento de células cancerígenas ou causar a morte da célula cancerígena. A ligação do pertuzumabe ao HER2 também pode sinalizar ao sistema imunológico que ele destrói as células cancerígenas.

Um avanço enorme para os portadores deste mal. Esperamos sinceramente que a medicina continue galgando descobertas!!! E fique ligada, uma dessas pode ser muito útil a você!






segunda-feira, 29 de outubro de 2012

RADIOTERAPIA: MITOS E VERDADES





 Dr. Allisson  Borges
CREMEGO 13229
Radioncologia – CGO – Centro Goiano de Oncologia
Coordenador da Residência Médica em Radioterapia – Hospital Araújo Jorge





A Radioterapia é o tratamento utilizando radiações ionizantes. O Tratamento foi descoberto, acidentalmente por Wilhelm Roetgten, no fim do século XIX, quando expôs à radiação (previamente desconhecida) a mão de sua esposa. De lá pra cá, a radiação começou a ser usada no meio médico, ou na forma diagnóstico ou na forma de tratamento. Com o passar dos anos, os médicos foram percebendo que a radiação exercia um importante papel no controle ou cura de lesões de crescimento rápido (neoplasias malignas), e aprimorando as técnicas de radioterapia. Com isso, máquinas que então utilizavam elementos radioativos, foram sendo substituídas pelos Aceleradores Lineares, ou seja aparelhos que não utilizam fontes radioativas, mas sim energia vindo de corrente elétrica. Técnicas arcaicas, foram sendo aprimoradas, com o objetivo de ganhar acurácia e diminuir a dose de radiação em tecidos normais, transformando a radioterapia em um tratamento eficaz em quase todos os tipos de tumores, tanto de maneira exclusiva, complementar a cirurgia (pré ou pós operatória) ou paliativa (quando o objetivo do tratamento visa o ganho de qualidade de vida, como melhora de dor, sangramento, entre outras).
Com isso, hoje, cerca de 70% dos pacientes oncológicos irão necessitar de radioterapia em algum momento de seu tratamento, surgindo assim as mais variadas dúvidas tanto dos pacientes quanto dos médicos que estão distantes das áreas oncológicas. Tentarei aqui nesse blog nortear os pacientes que irão submeter a esse tratamento a fim de tentar ajudar de alguma forma a encara-la de uma forma mais amena:

Quais são os efeitos colaterais do tratamento?
Ao contrário da quimioterapia, a Radioterapia na sua grande parcela, não causa efeitos sistêmicos, apenas efeitos locais, ou seja, no campo da irradiação.  Portanto uma paciente que está sendo irradiada por uma lesão no colo do útero, não terá alopécia (queda de cabelo), náuseas e vômitos, decorrentes da radioterapia. Porém ela poderá ter sintomas pélvicos, como diarréia, flatulência, sintomas urinários e fadiga. Outro exemplo, pacientes que tratam a mama com radioterapia apresentarão basicamente sintomas locais, sendo o mais comum a radiodermite (lesão na pele provocada pela Radioterapia) podendo variar de grau I (quando a pele fica apenas vermelha) até a grau IV (quando há ulceração e sangramento, menos freqüente hoje em dia com ás técnicas mais modernas de tratamento).

Como funciona a Radioterapia?
A radioterapia funciona utilizando a radiação, produzida pelo Acelerador Linear ou pela fonte radioativa (como na Braquiterapia), a fim de destruir as células tumorais. Isso ocorre pois a radiação tem a propriedade de quebrar a molécula de DNA do tumor induzindo-o assim a morte celular (que pode ser a destruição da célula ou perda da capacidade de duplicação), de uma forma direta ou, principalmente, indireta, através das moléculas de água e oxigênio presentes nas células, por isso o estado nutricional do paciente é extremante importante durante todo o tratamento. As células tumorais, geralmente, são mais sensíveis a radiação do que as células normais, isso porque elas apresentam uma divisão celular rápida e desordenada fazendo com que o seu núcleo fiquem mais expostos aos efeitos da radiação, por isso que o dando tumoral tende a ser maior do que o dano nas células saudáveis.


Como é definido o tempo de tratamento?
Geralmente a radioterapia é feita todos os dias, de segunda as sextas-feiras, com aplicações diárias (chamado de fracionamento convencional). Alguns tipos de tumores podem ser beneficiar de esquemas alternados, ou duas vezes ao dia, ou esquemas em menos frações, dependo de vários fatores, como tipo histológico, localização dos tumores, estado físico do paciente. Cada aplicação de radioterapia dura, em média 15 a 20 minutos.

O que é Radiocirurgia?
Radiocirurgia é o tratamento de radioterapia utilizado em fração única ou até 5 frações, em volumes pequenos, guiados por um mecanismo de estereotáxia (arco estereotáctico ou radioterapia guiada por imagem). A grande aplicação desta modalidade de tratamento se dá em tumores localizados no sistema nervoso central, como metástase, ou em lesões benignas como Neurinomas, Malformações artério-venosas e Meningeomas. Nesse tratamento, não há cortes e nem anestesia geral, basicamente o paciente realiza o procedimento e vai para casa no mesmo dia. Em alguns tumores, como os tumores inicias (T1-T2N0M0) de pulmão também podem ser submetidos a Radiocirurgia (Radioterapia estereotáctica corpórea) quando não são candidatos a cirurgia, com resultados bem animadores.

O que é braquiterapia?
A braquiterapia é o tratamento de radioterapia utilizando-se fontes radioativas que são colocadas em contato com o tumor. Normalmente é um tratamento invasivo, onde se dá uma dose alta de radiação na área do tumor, com uma baixa dose nos tecidos normais circundantes. Os tumores ginecológicos (endométrio e colo de útero) são aqueles em a braquiterapia é mais utilizada. Os tumores de próstata e algumas neoplasias oculares podem se beneficiar com essa modalidade.

Quais são os cuidados que o paciente em radioterapia deve ter?
Os cuidados basicamente, são os mesmos em que qualquer paciente em tratamento oncológico deve ter: Repouso, evitar exposição solar na área irradiada, alimentação leve, evitando alimentos gordurosos, gaseificados e ricos em temperos fortes, como pimenta. O mais importante é sempre seguir as orientações do radioncologista responsável pelo caso, e sempre avisá-lo quando houver algum sintoma ou dúvida.


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

O QUE É TRATAMENTO-ALVO?





Com o passar do tempo e com a frequência dos casos, alguns avanços tem sido galgados a custa de muito estudo! Tentando minimizar os danos colaterais recorrentes nos tratamentos convencionais. E nós obviamente agradecemos!!! rs...
Alguns tratamentos para câncer de mama atuam diretamente nas células cancerosas e causam menos danos às células sadias. São as chamadas terapias-alvo, que utilizam anticorpos monoclonais, capazes de limitar o crescimento do tumor, em uma ação semelhante ao nosso sistema imunológico.


Pertuzumabe
Medicamento que reduz risco de progressão da doença pode chegar ao mercado até o fim deste ano. O medicamento é tendência nos tratamentos, por ter ação restrita ao defeito genético de nível celular.


         Tykerb                                                    

Tykerb, lapatinibe, é um inibidor oral da tirosino kinase receptor do Her-2 e Her-1, também chamado EGFR.


 Herceptin

Herceptin é um anticorpo 95% humanizado, produzido por células geneticamente modificadas para esta função. O anticorpo tem atração pelo receptor Her2.



            Avastin
Avastin, bevacizumabe, é um anticorpo monoclonal humanizado que se liga ao VEGF. Devido ao seu bloqueio do VEGF é considerado um antiangiogênico.






De fato, a medicina personalizada é um caminho sem volta.
Identificar o melhor medicamento para cada paciente não só produz o efeito benéfico esperado como também evita efeitos adversos.
Logo, a maioria dos efeitos da medicação serão erradicados e como consequência melhorará a qualidades de vida das pacientes.
Existe vida após o câncer acredite!
E ela pode ficar cada vez melhor a medida que você usa a medicina a seu favor e aceita as condições que a vida lhe impôs com tranquilidade!
Então...
FRUI VITA!!!





quarta-feira, 24 de outubro de 2012

QUE SENTIDO TERIA SOBREVIVER A DOENÇA E NÃO PODER SER MÃE?







A ocorrência de câncer em nossa sociedade aumenta cada vez mais. Ainda que seja uma doença muito grave, a taxa de sobrevivência tem crescido notavelmente nos últimos trinta anos como resultados dos tratamentos. O câncer de mama atinge no Brasil aproximadamente 1 de cada 10 mulheres, e dessas, 1 em cada 10 é diagnosticada em idade fértil.

As mulheres sofrem com as consequências dos tratamentos do câncer. A radioterapia e a quimioterapia causam uma redução da função ovariana ou, até mesmo, sua anulação. De fato, estima-se que 42% das meninas ou mulheres jovens que recebem quimioterapia e/ou radioterapia tem algum desses problemas.

A gravidez após câncer de mama é desaconselhada pelos médicos, por pelo menos 2 anos após o tratamento ter acabado. Isso porque existe a possibilidade do câncer voltar, embora existam muitos casos bem sucedidos de crianças que são concebidas antes desse tempo, definido como seguro, e passam bem.




Esse risco existe ainda porque pode haver células receptoras, que tendem a crescer quando são estimuladas por hormônios (que são produzidos em grande quantidade durante a gravidez).Células estas tratadas com a hormonioterapia.





Há alguns anos vem sendo propostas diferentes estratégias para proteger e conservar a função ovariana em pacientes com câncer e outras doenças. Os tratamentos oncológico, muitas vezes podem tornar o mulher estéril, a reserva ovariana pode ser destruída. No entanto, em alguns casos, a fertilidade se mantém naturalmente, mesmo depois de ser exposta a sessões de quimioterapia e radioterapia.

Conservar a fertilidade das pacientes em que é diagnosticado um câncer deveria ser uma questão considerada no mesmo momento do diagnóstico.

Visto que a gravidez é um momento mágico na vida de todas as mulheres. Mas conseguir alcançar esse marco depois de uma vitoriosa batalha contra um câncer dá um sabor diferenciado à conquista.



Mas calma! Nem tudo está perdido!





Existem opções para manter a fertilidade antes do tratamento:


Criopreservação de oócitos ou vitrificação: Consiste em congelar os oócitos depois de ter realizado um estímulo ovariano.


Criopreservação de tecidos ovarianos: Com esta técnica se consegue preservar a fertilidade e a função hormonal ovariana. Consiste na extração através de cirurgia laparoscópica do "córtex" de um dos ovários, para ser congelado posteriormente. Quando a paciente se cura, este "córtex" pode ser reimplantado no mesmo local em que foi obtido. Usado apenas em mulheres com idade fértil.


A transposição cirúrgica dos ovários: é realizada para evitar a exposição direta dos ovários à radioterapia e pode ser feita por ginecologistas treinados em cirurgia laparoscópica.


As opções depois do tratamento do câncer dependerão de cada situação:


Meios naturais: A recuperação ovulatória ocorre somente em 20-30% dos casos. O mais adequado, é tentar conseguir uma gestação por meios naturais, mas é conveniente esperar o tempo aconselhado por seu oncologista antes de tentar a gestação espontânea.





Reprodução assistida: Se é recuperada a função dos ovários, mas a reserva ovariana é escassa, as probabilidades de conseguir uma gravidez de forma natural se reduzem.Então são realizadas as tecnicas de inseminação artificial ou a fertilização in vitro.









Adoção: Por último, e não por isso menos importante, outra alternativa para formar uma família é a adoção. Pois com certeza a sua capacidade de amar não foi destruída pelo tratamento e existem milhares de crianças sedentas por ele!






O importante é realizar seu sonhos, existem vários métodos converse com seu médico e escolha o melhor método para o seu caso!





segunda-feira, 22 de outubro de 2012

HORMONIOTERAPIA




Você já parou para pensar o que é o tratamento com hormônios no câncer de mama?! Pois então, nós paramos e fomos tentar entender um pouquinho, porque afinal não queremos saber tuuuudo mesmo! Só o suficiente para podermos opiniar sobre o que nos é dado!


As glândulas mamárias como sabemos são muito sensíveis à ação dos hormônios sexuais. Estrógeno e progesterona exercem sua ação no tecido mamário ao ligar-se com moléculas situadas no núcleo das células, conhecidas como receptoras. A ligação das moléculas de estrógeno e progesterona a esses receptores é que vai controlar a multiplicação celular nas glândulas mamárias, para atender às exigências da vida sexual e reprodutiva.






Pode ocorrer que na transformação maligna haja uma desorganização celular que provoque a diminuição do número ou até mesmo o desaparecimento dos receptores de estrógeno e progesterona. E é por isso que é feito o exame chamado Imunoistoquímica a fim de determinar a presença ou não desses hormônios no tumor. 




A hormonioterapia é então, uma manipulação do sistema endócrino para tratar algumas neoplasias malignas hormoniossensíveis e seu objetivo é impedir que os estrógenos se liguem a seus receptores para atuar como fator de crescimento das células mamárias malignas.


O tratamento com Hormônios pode envolver:


  • Supressão da atividade ovariana: antes da menopausa, a retirada cirúrgica dos ovários (ooforectomia cirúrgica), ou o bloqueio da função ovariana com drogas (ooforectomia química) provoca queda brusca na produção de estrógeno, privando as células tumorais do estímulo para multiplicar-se.
  • Moduladores seletivos do receptor de estrógeno: são drogas que se ligam aos receptores de estrógeno situados no núcleo das células tumorais, impedindo que o estrógeno o faça. Podem ser empregados na pré e na pós-menopausa. São exemplos dessa classe: tamoxifeno, toremifeno, raloxifeno e fulvestranto.
  • Inibidores da aromatase: são indicados apenas depois de instalada a menopausa. Ao inibir a ação da enzima aromatase, esses medicamentos impedem a transformação dos hormônios sexuais liberados pela suprarrenal em estrógeno, privando as células malignas desse fator de crescimento. Os mais usados são os chamados inibidores da aromatase de terceira geração: letrozol, anastrazol e exemestano.

A hormonioterapia raramente tem como objetivo a cura quando usada isoladamente, no entanto no tratamento do câncer de mama é utilizada junto com a quimioterapia (concomitante ou não) e tende a aumentar as chances de cura, mantendo uma boa margem de segurança.Geralmente o medicamento é administrado por cinco anos. Mas vamos combinar que cinco anos passam rápido e vão garantir o seu bem estar!

Consulte seu médico sobre o medicamento mais adequado para seu caso e fique atenta!


 

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

FELIZ DIA DOS MÉDICOS




Aos grandes médicos de nossas vidas, por não cuidarem só de nosso corpo, mas também de nossa alma!
Por fazerem válidas cada uma de nossas noites de sono.
Por aguentarem nossas neuroses a cada época de check up...
Enfim por todo auxilio e amizade dispensados queremos parabeniza-los pelo
seu tão merecido dia!


quarta-feira, 17 de outubro de 2012

NA BALADA!




Há quem diga que o câncer de mama está relacionado com o ambiente, bem como com os hábitos que a pessoa tem! Pensamos que na verdade, muitos são os fatores que levam ao desenvolvimento da doença e poderíamos criar um blog só para falar disso! rs...

 Mas em algumas coisas, temos que concordar e uma delas é com relação à dupla dinâmica: o álcool e o cigarro, vilões que fazem  parte da vida de tantas mulheres!

 O cigarro já foi considerado estatus, mas hoje já é visto com maus olhos pela maioria. Agora o álcool ainda tem passe livre pelas rodas sociais, por ainda ser o promotor do convívio entre várias pessoas.




Infelizmente a indústria do álcool e do tabaco gera bilhões em renda no mundo todo, além de empregar milhares de pessoas, mesmo que o custo desse hábito para a saúde pública seja gigante.


Muito tem sido trabalhado em prol de sua erradicação, em campanhas de prevenção e aqui entramos reforçando a luta, pois um cigarro é praticamente um bastãozinho de câncer e o álcool também aumenta as chances do desenvolvimento da doença!



Já comprovado que mulheres que bebem e fumam têm maiores chances de desenvolver o câncer de mama. Olha a surpresa, ele não é apenas vilão para os pulmões, boca, laringe e estômago, suas principais vítimas, mas consegue se tornar fator de risco para aquelas mulheres que começaram a fumar muito cedo e principalmente antes do primeiro filho.


O uso do álcool superior a mais de uma dose ao dia se torna um fator de risco altíssimo para pacientes oncológicos, principalmente para aquelas em que o tumor respondeu positivamente para os hormônios, pois o etanol aumenta a produção de estrogênio. Assim, não faz diferença se você bebe cerveja, vinho ou cachaça! O estrago é o mesmo! rs...


O hábito de fumar na verdade deve ser encarado como um envenenamento progressivo do organismo, pois a cada dose o corpo tem que se superar para eliminar as toxinas, por isso o odor inconfundível de quem fuma!


Então se podemos ter a oportunidade de recomeçar, que seja em novos paradigmas. Qual é o problema de ir pra balada e tomar suco? Mas se você ainda não consegue essa façanha, o que se recomenda é que o consumo seja eventual e muito bem moderado!


Agora com relação ao cigarro, o ideal é queimar esse hábito! Ele te deixa com um cheiro horrível, um aspecto ruim e vai te matando aos poucos! E acredito que se você lutou bravamente para ficar viva, com quimio, radio e tudo o mais, não vai querer dormir com o inimigo não é?!

Pensem nisso!



segunda-feira, 15 de outubro de 2012

MEDO: SAI PARA LÁ! QUERO NAMORAR!



Algumas coisas são realmente difíceis quando a perspectiva que usamos ainda está embaçada! E uma das partes mais complicadas para a mulher, principalmente as solteiras é o estrago que acreditamos que a mastec faz em nossa silhueta! rs...

Essa nossa sociedade moderna nos proporciona muitas facilidades, mas nos exige um padrão de comportamento e beleza que muitas vezes causam sofrimento em quem por razões diversas não se adéqua a eles. Por isso vemos tantas atrocidades mundo afora! Tudo por culpa da falta de aceitação e do preconceito!


Mas o preconceito mora dentro de nós e por incrível que pareça a gente tenta esconder ele tão bem que quase conseguimos. rs... Daí vem à dificuldade de se relacionar com novos parceiros após a mastectomia. E o problema também existe para as casadas, pois nunca sabemos como será a reação do outro.

Claro que contamos hoje com a possibilidade de ficarmos lindas com as próteses, mas não temos como nos livrar das cicatrizes, principalmente as emocionais... e se já vínhamos com dificuldade de estima até aqui, imagine depois de sofrer tantas mudanças!


É sempre um período de suspense a lá Hitcock o início de uma nova relação e a pergunta que nunca quer se calar é: Falo logo ou não? rs... Temos muito receio de sermos vistas como alguém mais frágil ou que não tem condições de levar uma vida normal, pois é justamente por isso que lutamos!

Sobreviver ao câncer de mama não é pra qualquer uma não! Tem que ter cabeça boa, aprender a se amar, a se aceitar, superar os desafios que a vida vai orquestralmente colocando...


O mais importante é entender que somos seres únicos com plena capacidade de amar e que nossa aparência é conseqüência da luz que carregamos. Portanto, cuidar do corpo e da alma é o melhor caminho, mostra que você ainda está no campo de batalha da vida!

Então se levante já e vá em busca de sua loja de lingerie preferida... Comece uma dieta, ou se acabe na academia... Qualquer coisa que te faça se sentir bem consigo mesma! Pois as cicatrizes existem para te lembrar todos os dias que você sobreviveu!


quarta-feira, 10 de outubro de 2012

VOCÊ JA PENSOU EM TER UM AMANTE?


Esse é realmente um assunto meio delicado... Não são todos que compartilham deste incentivo assim tão assumidamente!


Muitas pessoas tem um amante e outras gostariam de ter um. Há também as que não tem, e as que tinham e perderam.


E é exatamente quando as vidas transcorrem de forma monótona e sem perspectivas, que trabalham apenas para sobreviver e que não sabem como ocupar seu tempo livre, que estão tristes ou que apresentam sintomas típicos de insônia, apatia, pessimismo, crises de choro, dores etc. Enfim, são várias as maneiras que elas encontram para dizer que estão simplesmente perdendo a esperança.

Uma coisa muito comum em pacientes recém diagnosticados, a vida perde um pouco do seu brilho, as perspectivas tendem a se resumir e tudo se torna mais difícil. E, por isso, peregrinam de consultório em consultório, onde recebem as condolências de um diagnóstico firme: "Depressão", além da inevitável receita do anti-depressivo do momento.


Mas em verdade vos digo que, na minha humilde opnião, elas não necessitam de anti-depressivos e sim, de um AMANTE!


CALMA, Não nos crucifiquem! Vamos explicar melhor os fatos. Antes de vocês simplesmente fecharem a página e não nos visitarem nunca mais, achando que somos loucas, ou atrevidas demais!


Pois bem,vamos ao fato!


AMANTE é tudo aquilo que te APAIXONA, que te faz esquecer das outras coisas, que te impede de dormir, que lhe traz euforia e te vicia, é aquilo que nos abstrai de qualquer problema a nossa volta!


O amante é responsável por dar um novo sentido a vida, a fazê-la novamente interessante.


E não pense que isso é difícil de se achar... Esqueça as suas chagas e o medo de tentar, existem amantes para todos os gostos e em todos os lugares. Podemos achar o amante em nosso companheiro, outras vezes, em alguém que nem é nosso parceiro, mas que nos desperta as maiores paixões e sensações incríveis. Também podemos encontrá-lo na pesquisa científica ou na literatura, na música, na política, no esporte, no trabalho, na necessidade de transcender espiritualmente, na boa mesa, no estudo ou no prazer obsessivo do passatempo predileto...


Enfim, é alguém ou algo que te faz "namorar a vida" e não somente "ir levando"! Não ter paixão pela própria vida, nos faz vigiar a forma como os outros vivem, é o "se deixar dominar pela pressão", perambular por consultórios médicos, tomar remédios multicoloridos, afastar-se do que é gratificante, observar decepcionado cada ruga nova que o espelho mostra, é se aborrecer com o calor ou com o frio, com a umidade, com o sol ou com a chuva para que algo desvie o foco dos nossos reais problemas!


Então não se contente em ir levando, em viver a vida dos outros porque simplesmente acha que a sua acabou! Pare de contar seus dias, existe sim, muita vida após o câncer e é essencial que tenhamos um AMANTE!


Anyone Else But You

 

Aprenda a lidar com os obstáculos, afinal, se fosse fácil achar o caminho das pedras, tantas pedras no caminho não seria problema!

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

FAZENDO AS PAZES COM SEU CORPO


   





Engraçado como, inconscientemente, tentamos não nos perguntar algumas coisas... No outro dia, me perguntaram se eu já havia perdoado meu corpo, se já havia feito as pazes com ele.

A primeira resposta instintiva é sim, mas não! Não é uma coisa assim tão fácil de se fazer. Algumas dores persistem, umas restrições também, difícil admitir, mas já não temos a mesma força e disposição e isso faz o perdão ficar um pouquinho mais difícil. Mas vamos combinar que a culpa não é só dos erros de metabolismo, mas contribuímos bastante com alguns maus-hábitos!!!

Mas aos poucos fazemos tentativas válidas, afinal, o perdão é um exercício diário!


Então vamos lá à listinha de tentativas:

Alimentação: Vamos pegar mais leve... Faça pelo menos três refeições (café da manhã, almoço e jantar) e dois lanches saudáveis por dia; Diminua a quantidade de sal na comida; Beba pelo menos, dois litros (de seis a oito copos) de água por dia. Torne sua vida mais saudável!                                                                                  






Exercícios físicos: pessoas que participam de programas de exercícios físicos regulares apresentam melhorias significativas na saúde física e  mental! Haja visto as postagens da série "Mova-se"! rs.





Evite os vícios: Tabaco, álcool e drogas podem te levar a outro encontro indesejável com o câncer...










Administre o estresse do dia-a-dia: O estresse pode ser definido como uma reação automática, não específica do corpo a qualquer demanda, podendo ser um desafio ou qualquer tipo de mudança que requer adaptações. Frente ao diagnóstico de um câncer, é comum os cuidadores ficarem mais suscetíveis ao estresse. Fique atento! Observe sinais de ansiedade, depressão, raiva ou irritação; Tente manejar apropriadamente os sintomas; Procure ajuda profissional; Converse com amigos íntimos ou familiares sobre seus sentimentos; Divida as tarefas diárias com outros familiares - Para o seu próprio bem-estar, não tenha receio de pedir auxílio. Isso evitará a sua sobrecarga, evitando o estresse físico e emocional; Tire um tempo para fazer as suas coisas: Saiba que tirar esse tempo para você é importante, pois lhe dará mais ânimo e capacidade de continuar cuidando das pessoas que você ama. 







Fique em dia com seu acompanhamento médico: Faça visitas periódicas a seu médico, afinal, existem paixões tórridas que não podem ser rompidas assim! rs.

Refaça os exames e tome corretamente seus remédios.








Evite buscar padrões de beleza: com certeza, o contexto já te deixou mais linda que a Gisele, mais humana que a Angelina e mais interessante do que a Cameron... Então seja autêntica!







E, aos poucos, seu corpo vai chegando o mais próximo da normalidade possível, as curvas vão se acentuando, o ritmo de vida vai engrenando e logo - lógico, dependendo de você - tudo toma seu curso!



Em breve, seu corpo passará de vilão para mocinho, você vai deixar de ter mágoa, para ter orgulho por ele ter sido forte o suficiente, para superar toda a turbulência. E assim, as coisas ficam mais fáceis e menos dolorosas...



Pense nisso!!!