quinta-feira, 21 de março de 2013

MENOPAUSA, EU ?!


Antes mesmo dos quarenta e tendo que conviver com menopausa? Isso é uma das coisas que a quimioterapia pode fazer por você! Rs...

A maioria das mulheres que se submetem ao tratamento são induzidas pela força dos medicamentos a entrarem na menopausa, que pode ser temporária, ou não, dependendo do organismo, da idade e das drogas que foram usadas.


Vantagens a parte, quem não sofre com os 'fogachos' atire a primeira pedra! Pra quem gosta de montanha russa já tem uma resistência para aguentar o tranco! O fato é que é muito desagradável os sintomas e pra piorar o cenário, não podemos fazer reposição hormonal!


E aí, já em desespero você pede para o seu  médico te dar qualquer coisa que amenize o suor excessivo, as ondas terríveis de calor e aquele mal estar súbito que parece que irá te levar a morte, e ele então te manda tomar o que?



Anti depressivo! E pra quem tem aversão a remédio, fica o conflito: anti depressivo para aliviar sintomas de menopausa, deve produção? Se você está por fazer essa escolha, porque sabemos que não é fácil passar por mais essa tormenta, fique antenada para o tipo de medicamento que lhe foi prescrito porque paroxetina e fluoxetina não deve ser usado por mulheres que tomam o nosso querido TAMOXIFENO!!!


Um estudo mostrou que a paroxetina, por interferir com o metabolismo do tamoxifeno, reduz ou elimina seu efeito protetor contra a recorrência do câncer de mama, causando um risco aumentado de recidiva e morte por câncer de mama. A paroxetina é um potente inibidor da enzima CYP2D6, que converte o tamoxifeno para seu metabolismo ativo, reduzindo a quantidade de droga ativa que é liberada.


A fluoxetina, apesar de ser um forte inibidor da CYP2D6, não apresentou o mesmo risco de morte. Os autores especulam que isso se deve ao baixo número de mulheres que tomam fluoxetina no estudo e por razões de segurança, a co-prescrição da fluoxetina e tamoxifeno em mulheres com câncer de mama deve ser evitada.


Mas calma! Existe uma alternativa, que é a administração de Citalopran ou Venlafaxina, que são antidepressivos com baixo potencial para inibir a CYP2D6. E claro que, se você preferir existem tratamentos alternativos como reiki, acumpuntura, magnetismo e florais que podem ajudar nesse processo. 

Veja:

- http://projetocicatrizar.blogspot.com.br/2013/02/terapias-complementares-parte-2.html#.UUsZpxym2Ag

- http://projetocicatrizar.blogspot.com.br/2013/02/terapias-complementares-parte-3.html#.UUsZ1xym2Ag


Fonte:

http://alanassiscoutinho.blogspot.com.br/2010/03/paroxetina-e-fluoxetina-nao-deve-ser.html




Nenhum comentário:

Postar um comentário