quarta-feira, 9 de abril de 2014

DA SÉRIE: MEDITANDO SOBRE O CÂNCER.


E aí meninas?! Tem algumas questões que sempre ficam rodando na cabeça da gente! Como? Porque? Pra que? Com o passar do tempo, sabemos falar de quimioterapia, de radioterapia, hormonioterapia... e terapia em questão de câncer é o que não falta! rs.

Mas o que fica no ar sempre é... De onde ele surgiu?! Ninguém pode afirmar o que desencadeia o crescimento desordenado das células que culminam no tão temido tumor maligno. Muitos colocam a culpa na alimentação, na genética, no padre, no governo... enfim... Mas se esquecem de olhar para si mesmas!

Veja se esse relato te lembra alguém: Ahhh, eu não tenho tempo pra mim,  acordo cedo, tenho que arrumar as crianças, levar para escola, ir trabalhar, depois volto, pego as crianças, faço almoço, casa, marido, trabalho... etc... Te parece familiar?

Ao longo desses seis anos que ando pelas clínicas aqui de Goiânia e converso com as pacientes, o que mais tive a oportunidade de escutar foi essa histórinha aí de cima... Mas não é só isso, não... Sempre me impressionou, a quantidade de mulheres tristes pelos dissabores que a vida trouxera, seja com os finais de relacionamento (top da lista), seja pela carreira não conquistada, problemas familiares, enfim, toda sorte de tristeza guardada no peito... Guardada onde?! Repete!

Pois então, ao longo de nossas vidas guardamos, não sabemos para que, mágoas, ressentimentos e tristezas em nossa alma... Será que isso também pode engrossar o caldo dos possíveis causadores do câncer?! Há quem diga que a maior parte das doenças são psicossomáticas. Mas tem quem abomine essa ideia. 

Nada nessa seara pode ser tão determinante, mas uma certeza precisa ficar gravada no coração, depois de um enfrentamento ao câncer,  nós temos que amar e cuidar em primeiro lugar de nós mesmas. Aquele papinho de que não tem tempo para você por causa dos filhos, mãe, pai, periquito e etc, tem que acabar, porque se você não se cuidar, pode ser que nem veja seu filho crescer. 

O câncer acaba sendo uma oportunidade para parar, respirar e olhar para dentro e aproveitar que já que tem dia que o negócio é cama mesmo, bora pegar uma vassoura e um pano e fazer uma faxina na casa mental e no coração. Jogue fora tudo que não te serve mais. Fácil? Não mesmo, mas necessário!

E aí vai sobrar espaço para uma boa música, contemplar o por do sol, admirar um sorriso de uma criança... enfim, alegria! Por que é a alegria que nos ajuda a aumentar a imunidade! E se a imunidade fica fortinha, o monstrinho do câncer não consegue nos pegar. 

Sempre com fé na vida e em Deus, nossos caminhos se encherão de luz e onde tem luz não há espaço para sombras, certo?! Então vamos mudar a maneira de olhar para nós, para a vida e para o câncer! Pois ele é muito menor que a força da criação!

E se você quiser nos contar sua história, pois acha que tenha algo haver com a história de tantas outras guerreiras é só mandar para cicatrizar@gmail.com! Vou adorar saber!


2 comentários:

  1. Ah Ludmila, não resisti e estou aqui para comentar. Passei por Quimio, Radioterapia e Transplante de Medula e posso te dizer que essas dúvidas (origem das coisas), tb me rondaram até o momento que eu resolvi espantar tudo isso pq já basta o sofrimento do tratamento. Prá que buscar mais encucação e dor? Se quiser conhecer o meu blog, será bem vinda. Lá eu conto essas e outras histórias. Bjs prá vc, conte comigo quando quiser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana Margarida! Que legal ter vc por aqui também! Imagino um pouco a sua trajetória e sei que não é fácil... Mas quando fiz esse post, não queria me referir a origem da doença apenas como o porque das coisas... Mas a minha ideia é que pudéssemos nos conhecer melhor ao ponto de encontrar nossas próprias respostas, pois acredito que todas as doenças são de certa forma psicossomáticas! Também estou aqui para o que der e vier! Me mande o endereço do seu blog que quero sim conhecer! bjokas!

      Excluir