quinta-feira, 25 de junho de 2015

POR MAIS TEMPO


As fichas começam a cair. Nem sempre o conceito da coisa é a própria coisa, entenderam? Nada neh? kkkkkk. Vou explicar. Essa semana foi lançada a campanha "por mais tempo", uma iniciativa para se incorporar medicamentos ao SUS que garantam uma melhor sobrevida às pacientes que vivem com o câncer metastático.

Aí, a gente começa a pesquisar e a querer entender o que é? Ou seja, a campanha faz todo sentido e atinge sim seus objetivos. Mas por outro lado, me fez colocar os pés no chão e olhar para o problema de outra forma. Me lembro que antes de ter a primeira recidiva, conheci uma mulher que convivia com metástases nos ossos. Certa vez, ao retornar de uma consulta, eu tentando entender e especulando ao máximo sobre sua doença, ela me disse: "eu não pergunto nada para médica. Não quero saber." 

Naquele dia fiquei em choque, como que alguém que vive com esse inimigo pode não querer conhecê-lo? Não entendia ainda, no meu início de caminhada na luta contra o câncer o que significa saber,,,

Olhamos para a doença, sempre acreditando na sua remissão. E que assim seja sempre. Mas será que queremos mesmo saber quem ela é? O tamanho? A proporção? Muitas pessoas estão preparadas para isso, outras não. Na campanha "por mais tempo", mulheres que tiveram seus dias colocados em um contador digital, falam da esperança de viver além desses prognósticos médicos com um ar de fé que nos encoraja a seguir em frente.

Mas elaborar tudo isso não é fácil. Então precisamos mesmo é de entender que para cada sorriso, talvez tenhamos sim que derramar uma lágrima, pois ela lava a dor e nos permite olhar com mais nitidez e serenidade para os caminhos que teremos que seguir. Sejam eles quais forem. Fácil? Não. Mas possível.

Dentro da minha especialização em oncologia prática (Rsss), ao longo desses quase sete anos, frente a frente com o câncer, se eu estiver certa, só agora fui entender conceitualmente que enfrento um câncer localmente avançado. O que significa isso? Segundo as teorias, é quando o câncer atingiu os linfonodos axilares ou algum tecido da mama, tipo pele, por exemplo. O que isso muda? Nada, a não ser o fato de ter elaborar o que a palavra avançado causa no meu intimo. Mas sigo com o mesmo tratamento e a mesma fé e confiança de sempre. 

Assim como a palavra câncer causa panico em quem nunca viveu nada parecido, o avançado para quem já vive com a arma apontada na cabeça surte o mesmo efeito para quem não tem conhecimento, e não entende a diferença entre primário, avançado, metastático... A lista é tão longa que cada categoria se subdivide, pelos tamanhos e características. Logo podemos ver a importância de uma campanha que esclarece o que é e quais as soluções que podem aliviar nossos corações.

Agora, a esperança é que haja sempre a possibilidade da solução. Por isso somos fortemente à favor da campanha "Por Mais Tempo!"


Pra conhecer mais:
https://www.youtube.com/watch?v=l97EwNxjg7E

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Sua vontade é de quem?

A busca incessante pelo reequilíbrio da saúde, nos leva a vários horizontes. Um dos que mais gosto é a psicologia. Muitas vezes lidar com os nossos universos não é tarefa fácil e é preciso um olhar externo que consiga nos arrancar dos vícios de pensamentos.

Dentre os vários caminhos e estudos, uma fala, de uma facilitadora de constelação familiar (ótimo tratamento psicológico), me fez parar para refletir muito a cerca do que fazemos quase que maquinalmente todos os dias. A questão era sobre o que nós fazemos por alguém e para alguém.

Parece simples, não é? Todavia, se aprofundarmos um pouco mais o pensamento, vamos perceber que a maioria de nossas ações, não são motivadas pela nossa vontade, pelo nosso entusiasmo, mas pela necessidade de se atender à anseios que vem de fora. 

Diz -se que quando fazemos algo "pôr" alguém, estamos perpetuando e de certa forma carregando nossos antepassados e consequentemente quando fazemos "para" alguém estamos nos voltando para os nossos sucessores.

E aí é aquele momento que a gente para e pensa, o que eu faço por mim mesma? O que eu gosto, o que eu quero... Para onde quero ir... O que eu não quero.. São perguntas que nem sempre estamos dispostas a responder e por isso arrumamos mil e uma desculpas... O trabalho, os filhos, o marido, os pais.... a política a igreja, o centro... enfim, qualquer coisa que ocupe minha mente e me impeça de ver a minha própria verdade.

Todos queremos o estado de saúde, de não doença, mas precisamos entender que ela pode ser a liberação de tanta energia acumulada e guardada, nas fileiras da nossa não condição de olharmos para dentro de nós.

Nos assumirmos como seres únicos e imperfeitos, ainda está em uma fase embrionária. Mas seguir em frente, tentando entender o que nos move ou o que não nos move, é que pode trazer um pouco de alívio por meio do crescimento. E sim, a psicologia pode ajudar a visualizar aquela luzinha lá no final do túnel...







quarta-feira, 3 de junho de 2015

VOCÊ TEM MEDO DO PET SCAN?


Essa semana foi de realização de exames. Quem vive na luta contra o câncer, sabe o que é ficar de clínica em clínica, levando agulhada... kkkkkk. Mas me chamou a tenção, na sala de espera para realizar o Pet Scan, a quantidade de pessoas que morrem de medo desse exame.

Já falamos dele aqui antes, até para mostrar a simplicidade que é. Mas para quem tá começando a caminhada agora, parece que ele é um fantasma assustador. 

O Pet, como o chamamos de forma carinhosa, é quase uma tomografia mais chique! rs... E vou contar para vocês direitinho como é. No dia anterior, as vezes até dois dias antes temos que realizar o preparo. 

O PREPARO:

Esse é o mais chato! Pois não podemos comer nada que tenha carboidrato e açúcares. Nos resta as proteínas, que são delicinhas também, mas vai tirar o carboidrato para ver como é difícil pensar nessa possibilidade. Ah.. e café também não pode. Tabaco nem pensar... mas aqui nem fuma neh? Não é possível!

Além desse regime militar alimentar, não é permitido os exercícios físicos, incluindo o sexo! Água pode, até 6 horas antes do exame, pois aí é jejum total. Depois que chegamos na clínica, geralmente eles nos fazem beber um copo de água a cada meia hora. E também tem os remedinhos que tomamos para realizar o exame.

Precisamos estar calmos e com o metabolismo desacelerado, portanto, as vezes eles administram um remédio para acalmar os ânimos, outras vezes só nos colocam no soro e aí devemos tentar relaxar e dormir. Depois que o "contraste" é injetado, ficamos por pelo menos mais uma hora descansando até irmos para a máquina.

O CONTRASTE

O "contraste" é na verdade um radiofármaco Flúor 18 FGD, ou seja, glicose marcada com material radioativo. mas que em pouco tempo é eliminada do organismo, dizem os médicos. Bem que esse material podia fazer com que a gente brilhasse no escuro, neh? Seria mto legal! kkkkkkkkkk

O EXAME

Resultado de imagem para pet scanMas aí uma vez na máquina, passamos uns 40 minutos ali, deitados, geralmente em um frio tipo Pólo Norte, tal qual as salas de tomografia mesmo. E aí depois disso, acabou! E vem a felicidade... o lanchinho rápido, para aplacar o mau-humor!

Então, não precisa ter medo desse grande aliado na luta contra o câncer! Ele  não tem reações, ou causa impotência, como já vi perguntarem... Apenas tem realmente o tal material radioativo, mas que é controlado assim como das tomografias, raio x  e demais exames que são também usam materiais pesados.