quinta-feira, 25 de junho de 2015

POR MAIS TEMPO


As fichas começam a cair. Nem sempre o conceito da coisa é a própria coisa, entenderam? Nada neh? kkkkkk. Vou explicar. Essa semana foi lançada a campanha "por mais tempo", uma iniciativa para se incorporar medicamentos ao SUS que garantam uma melhor sobrevida às pacientes que vivem com o câncer metastático.

Aí, a gente começa a pesquisar e a querer entender o que é? Ou seja, a campanha faz todo sentido e atinge sim seus objetivos. Mas por outro lado, me fez colocar os pés no chão e olhar para o problema de outra forma. Me lembro que antes de ter a primeira recidiva, conheci uma mulher que convivia com metástases nos ossos. Certa vez, ao retornar de uma consulta, eu tentando entender e especulando ao máximo sobre sua doença, ela me disse: "eu não pergunto nada para médica. Não quero saber." 

Naquele dia fiquei em choque, como que alguém que vive com esse inimigo pode não querer conhecê-lo? Não entendia ainda, no meu início de caminhada na luta contra o câncer o que significa saber,,,

Olhamos para a doença, sempre acreditando na sua remissão. E que assim seja sempre. Mas será que queremos mesmo saber quem ela é? O tamanho? A proporção? Muitas pessoas estão preparadas para isso, outras não. Na campanha "por mais tempo", mulheres que tiveram seus dias colocados em um contador digital, falam da esperança de viver além desses prognósticos médicos com um ar de fé que nos encoraja a seguir em frente.

Mas elaborar tudo isso não é fácil. Então precisamos mesmo é de entender que para cada sorriso, talvez tenhamos sim que derramar uma lágrima, pois ela lava a dor e nos permite olhar com mais nitidez e serenidade para os caminhos que teremos que seguir. Sejam eles quais forem. Fácil? Não. Mas possível.

Dentro da minha especialização em oncologia prática (Rsss), ao longo desses quase sete anos, frente a frente com o câncer, se eu estiver certa, só agora fui entender conceitualmente que enfrento um câncer localmente avançado. O que significa isso? Segundo as teorias, é quando o câncer atingiu os linfonodos axilares ou algum tecido da mama, tipo pele, por exemplo. O que isso muda? Nada, a não ser o fato de ter elaborar o que a palavra avançado causa no meu intimo. Mas sigo com o mesmo tratamento e a mesma fé e confiança de sempre. 

Assim como a palavra câncer causa panico em quem nunca viveu nada parecido, o avançado para quem já vive com a arma apontada na cabeça surte o mesmo efeito para quem não tem conhecimento, e não entende a diferença entre primário, avançado, metastático... A lista é tão longa que cada categoria se subdivide, pelos tamanhos e características. Logo podemos ver a importância de uma campanha que esclarece o que é e quais as soluções que podem aliviar nossos corações.

Agora, a esperança é que haja sempre a possibilidade da solução. Por isso somos fortemente à favor da campanha "Por Mais Tempo!"


Pra conhecer mais:
https://www.youtube.com/watch?v=l97EwNxjg7E

4 comentários:

  1. Parabéns pela sua força!!! Guerreira!!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela sua força!!! Guerreira!!!

    ResponderExcluir
  3. Fantástico esse texto Ludimilla.

    Tudo ao redor do câncer é carregado de mistérios. Um simples adjetivo "avançado" já deixa qualquer um pirado.

    Você está transformando um limão em limonada.

    Você vai superar isso tudo ai. Continue escrevendo, seus textos são ótimos.

    ResponderExcluir
  4. Conhece a medicina germânica? Uma nova medicina com um abordagem diferenciada. O tratamento do câncer é muito interessante nas medicinas atroposóficas e germânica.

    ResponderExcluir